Setor industrial brasileiro avança impulsionado por São Paulo e Rio de Janeiro

A produção industrial brasileira registrou uma leve alta de 0,9% entre os meses de dezembro de 2019 e janeiro de 2020, de acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Os dados foram publicados pelo instituto em novas notícias no dia 12 de março deste ano. O instituto aponta esse como um dos maiores crescimentos que ocorreram desde junho de 2018, logo após a greve dos caminhoneiros no mesmo ano, responsável por um grande impacto negativo no setor em todo o país.

O maior destaque neste mês no setor foi São Paulo, considerado o maior parque industrial do Brasil e um referencial para a saúde do setor no país. Na cidade de São Paulo, a indústria registrou uma alta de 2,3%, o que motivou o setor nacional. De acordo com Bernardo Almeida, grande parte deste bom resultado do setor industrial em São Paulo pode ser explicado pela baixa base de comparação com os outros polos de produção em todo o país.

“A indústria paulista sofreu com dois meses negativos consecutivos, o que surtiu no acumulado de baixa de 3,7%. Mas, o resultado do mês de janeiro de 2020 é o melhor desde o mês de agosto do ano passado, que foi de 3,2%. Devido a essa alta em janeiro deste ano, a indústria começa a respirar puxada pelo setor automobilístico, de equipamentos e máquinas, utilizados em metalurgia e na produção de veículos”, explica Bernardo.

Considerando a média geral do país, o setor industrial teve um avanço de 0,9% no mês de janeiro, também seguido por quedas consecutivas nos dois meses anteriores. Para o retrospecto geral, esse é o melhor resultado desde janeiro de 2017, porém, o setor ainda vem acumulando queda de 1% ao longo dos últimos 12 meses.

Rio de Janeiro vem depois de São Paulo como um dos maiores influenciadores para a alta do setor industrial brasileiro em janeiro deste ano. De acordo com o IBGE, o impacto da produção fluminense foi bastante positivo, alcançando a casa de 3,9% na cidade, influenciada fortemente pelo setor automobilístico e derivados de petróleo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *