Saiba mais sobre Carlos Alberto de Oliveira Andrade, eleito o Melhor Executivo do Ano

Organizada pelo Autoesporte, a premiação que elege os maiores destaques do segmento automotivo concedeu ao empresário Carlos Alberto de Oliveira Andrade o título de “Melhor Executivo do Ano”. O prêmio em questão ocorre há 52 anos e é chamado de “Carro do Ano”, sempre premiando profissionais e veículos que se sobressaem no setor. O empreendedor homenageado, contudo, atua em sua profissão há mais de três décadas, quando inaugurou a primeira unidade da importadora CAOA, na região nordeste do país.

A trajetória de Carlos Alberto de Oliveira Andrade no que diz respeito ao meio automotivo teve uma espécie de motivação peculiar. Amante dos modelos de carros da linha Ford Landau, o empresário sentiu falta de poder adquirir novos modelos, uma vez que a única concessionária que o comercializava acabou decretando falência. Com isso, resolveu abrir seu próprio ponto de revenda.

Embora atue há tempos no segmento, o empreendedor possui formação acadêmica em outra área. Formado em Medicina, o empresário especializou-se em cirurgia geral, mas dedicou grande parte de sua vida aos negócios envolvendo automóveis. Após ter inaugurado sua revendedora, ele viu sua empresa se tornar a mais expressiva do mercado brasileiro em se tratando da venda exclusiva de veículos da marca Ford. Tal constatação pôde ser percebida já na primeira década de operação da companhia.

Com o passar do tempo, contudo, o empresário procurou diversificar seu campo de atuação, passando a trabalhar também com outras marcas conhecidas da população brasileira. Assim sendo, tornou-se importador oficial de veículos da marca Renault. Depois de estreitar os laços com a fabricante francesa, foi a vez de estabelecer negociações com a Hyundai. Neste último caso, houve a construção de uma indústria no estado de Goiás. Nos dias atuais, mesmo não atuando diretamente na CAOA, o executivo ainda é responsável pela presidência do Conselho Administrativo da companhia.

Antes revendedora, a CAOA assumiu todas as operações realizadas pela empresa Chery, cuja origem é chinesa. Em terras brasileiras, a fábrica da companhia localiza-se no município de Jacareí. Nesta unidade, além da produção em larga escala dos veículos da marca, ocorreu também a expansão de todos os serviços prestados pela rede. A organização, segundo informa a página do programa Autoesporte, adotou uma maneira bastante intensa de expandir seus negócios, de forma que houve o lançamento de vários modelos de carros.

O relacionamento empresarial com a Hyundai foi oficialmente firmado quando o empresário decidiu pela construção da primeira fábrica brasileira da marca Hyundai. Na época, ele decidiu utilizar recursos próprios para que a obra fosse realizada. A cidade adotada para tal ação foi Anápolis, localizada em Goiás. A atuação empregando a bandeira chinesa rendeu a Carlos Alberto de Oliveira Andrade o reconhecimento como “Distribuidor do ano de 2012”. Vale ressaltar que o empreendedor foi escolhido entre outros 179 empresários do ramo, considerando-se a abrangência mundial para a escolha.

À frente do Conselho Administrativo da CAOA, o executivo se vê por dentro de toda a dinâmica da companhia. A vinda da marca Chery para o Brasil é fruto de um projeto que visava expandir internacionalmente a empresa. Desse modo, mesmo colocando veículos disponíveis ao público brasileiro em meados de 2009, sua produção nacional se iniciou somente no ano de 2014. Para que os primeiros veículos fossem produzidos no país, um montante de 400 milhões de dólares foi aplicado. Fora do território chinês o Brasil foi o primeiro país que contou com a conclusão do ciclo produtivo da companhia.

Ao longo do tempo de operação a fabricante brasileira modificou sua atuação em termos de projeção dos veículos produzidos. No início, a receita representava um pequeno percentual proveniente das vendas dos veículos QQ e Celer. Na atualidade, o carro Tiggo2 é considerado um dos mais expressivos no que se refere à predileção dos consumidores, fator que influencia na lucratividade da companhia.

O vencedor do prêmio “Melhor Executivo do Ano”, de acordo com o site da premiação, tem planos de produzir novas versões de veículos da marca chinesa. Isso, conforme a publicação, será feito de modo a se aprimorar os diversos automóveis que serão produzidos no Brasil. Dentre as partes que poderão ser beneficiadas, estima-se que a de mecânica, bem como a de acessórios poderão ser contempladas com novos ajustes.

Desde que começou a atuar, a CAOA atingiu seu ápice de lucratividade em 2011. É importante destacar que neste ano a empresa atuava apenas como importadora. O lucro alcançado foi decorrente de mais de 89 mil carros vendidos. Além disso, a produção também atingiu índices considerados elevados, já que se produziu um total de 38.635 caminhões e carros.

A produção, a cada ano que passa, vem sendo adequada à realidade do mercado, a fim de que a companhia consiga cumprir suas metas de lucratividade. Em se tratando dos dados divulgados sobre a produtividade global da companhia, conclui-se que o ano mais rentável foi o de 2013, quando todas as unidades da Chery produziram quase 4 milhões de automóveis.

As novas ambições de Guilherme Paulus, o empreendedor do ano em serviços

Presidente de uma das principais rede de hotelaria do país, a GJP Hotels e Resorts, Guilherme Paulus tem novas pretensões para os próximos anos, deixando evidente que sua vontade de investir é cada vez maior. O empresário vai lançar um luxuoso hotel na cidade de São Paulo, no bairro Cidade Jardins, entre os anos 2020 e 2021, no mesmo edifício em que operava a agência de publicidade DPZ. O novo hotel contará com 65 apartamentos, um rooftop, uma área destinada para eventos e um restaurante. A ideia de Paulus é sempre oferecer aos clientes o melhor serviço de hotelaria, por isso, o grupo GJP trabalha com quatro tipos de bandeira, a começar pela Linx (3 estrelas) até a Wish (5 estrelas), além da linha premium Saint Andrew, localizada em Gramado, RS.

Na comemoração de 35 anos do VISITE SÃO PAULO, constituído como Fundação 25 de Janeiro, Guilherme Paulus publicou uma carta aberta demonstrando como setores de turismo, viagens e eventos são importantes para o país, bem como ressaltou a significativa participação dos mais de 700 associados que ajudaram no resultado positivo dessa conquista, com a movimentação do turismo, melhoria contínua da prestação de serviços e o aumento do número de visitantes. Por fim, em carta o empresário destacou as ações de marketing e conteúdo, que contribuíram favoravelmente para incrementar a economia e gerar novos negócios, bem como a realização de feiras do trade no Brasil e em outros países.

Com mais de 70 anos de idade, Guilherme Paulus ainda tem muita energia para investir, com uma trajetória de dar inveja a qualquer empreendedor, principalmente no setor de serviços. E este sucesso começou quando o empresário tornou a CVC a maior operadora de turismo do Brasil, avaliada em R$ 6,35 bilhões. Posteriormente, vendeu uma parte da CVC e passou a se dedicar ao grupo GJP, investindo R$ 600 milhões. A rede de hotéis já possui 20 unidades em território nacional, com apoio de mais de 2 mil empregados, todos treinados para oferecer o melhor atendimento aos 92 mil clientes que já se hospedaram na rede.

Para incrementar o sucesso da GJP, Guilherme Paulus comprou a B2W Viagens, pertencente a Submarino Viagens, e conseguiu assim triplicar suas operações pela internet. O empresário também transferiu a companhia aérea Webjet para a Gol, numa transação de R$ 70 milhões, bem como comprou a Rextur Advance, a Trend, a Visual Turismo e o Experimento Intercâmbio, num total de R$ 1 bilhão. Todas as empresas movimentam aproximadamente R$ 10 bilhões por ano e transportam mais de 9 milhões de pessoas.

Toda esta dedicação não poderia trazer outro resultado senão o sucesso. A World Golf Awards 2017 elegeu o hotel Wish Foz do Iguaçu, PR, como o melhor hotel de golfe do Brasil. O resort possui uma área total de 2,5 milhões de metros quadrados e é considerado uma das obras mais luxuosas da GJP. Guilherme Paulus já aplicou mais de R$ 80 milhões em hotéis, utilizando-se de terrenos “excedentes” para fazer novos investimentos e aumentar ainda mais o capital. O empresário está sempre atento e não perde nenhuma oportunidade.

Wish Resort, de Guilherme Paulus: mais uma vez o melhor de acordo com o WTA

O Wish Resort de Foz do Iguaçu, no estado do Paraná, foi reconhecido pela segunda vez como o “Melhor Resort para Famílias da América do Sul”. O título foi concedido durante a 25ª edição do World Travel Awards, o maior prêmio do turismo mundial.

A premiação foi realizada no dia 15 de setembro de 2018, durante uma solenidade em Guayaquil, no Equador, que envolveu os maiores nomes do turismo internacional. Entre eles, claro, não poderia faltar Guilherme Paulus, fundador da GJP Hotels & Resorts, que administra o Wish Resort de Foz do Iguaçu.

O empresário de 69 anos é formado em Administração de Empresas e possui quase cinquenta anos de atuação no setor do turismo. Hoje, Guilherme Paulus é o Chairman da GJP Participações, que controla a GJP Construtora e Incorporadora e a GJP Hotels & Resorts.

Enquanto a GJP Construtora e Incorporadora foca-se na construção de condomínios residenciais de alto padrão em áreas com grande movimentação turística, a GJP Hotels & Resorts administra atualmente catorze resorts e hotéis distribuídos por todo o país, sendo por isso considerada, hoje, como uma das maiores redes hoteleiras nacionais dedicadas ao lazer e eventos.

Paulus é, também, o fundador da agência de viagens CVC, uma empresa de capital aberto na Bovespa que é hoje considerada e a maior operadora de viagens da América Latina por representar a maior rede de varejo de turismo do país.

Sobre o Wish Resort de Foz do Iguaçu

De bandeira cinco estrelas, o Wish Resort de Foz do Iguaçu foi adquirido pela GJP Hotels & Resorts de Guilherme Paulus em 2009 e, após passar por uma grande reestruturação, possui hoje uma área de 225 hectares que reúnem o melhor em lazer, diversidade gastronômica e diversão para toda a família.

O resort conta com sete piscinas para crianças e adultos, adega, jacuzzis, salão de beleza, parede de escalada, trilhas, pista de cooper, arvorismo e três restaurantes: o Frontera Sur, que reúne as melhores carnes da Argentina; o italiano Forneria di Como; e o Golf Grill.

O Wish Resort de Guilherme Paulus também oferece um campo de golfe profissional de oitenta hectares com dezoito buracos e um dos maiores Kids Club do país, além dos seus 215 apartamentos que sempre costumam ficar lotados em época de fim de ano.

Portanto, caso você tenha chegado a essa reportagem porque está procurando por um bom hotel para passar o Ano Novo ou o Natal com a sua família, talvez seja uma boa ideia fazer uma visita.

Sobre o World Travel Awards

Considerado o Oscar do turismo mundial, o World Travel Awards possui um método rigoroso de seleção de seus premiados. Primeiro os indicados passam por uma votação pública que leva em conta aspectos como o desempenho dos negócios, a infraestrutura, a excelência no atendimento ao cliente e o desenvolvimento do produto.

A primeira vez em que o Wish Resort de Guilherme Paulus ganhou um prêmio do World Travel Awards foi no ano de 2016, na categoria “Melhor Resort do Brasil”.

Guilherme Paulus fala sobre a CVC e a GJP, suas grandes realizações

O empresário brasileiro Guilherme Paulus (66), criador da gigante do ramo do turismo CVC, conta como construiu seu império e afirma que ainda quer mais: trabalha como quando iniciou o seu negócio, vendendo pacotes de viagens para o litoral paulista na região do ABC (Santo André, São Bernardo e São Caetano).

Atualmente, Paulus não é mais o sócio majoritário da CVC, tendo vendido a companhia pelo valor aproximado de R$ 1 bilhão, e, com isso, entrado para a lista de bilionários brasileiros da revista Forbes – possui uma fortuna estimada em R$ 1,9 bilhão, o que lhe possibilitaria uma “aposentadoria” tranquila. Porém, Guilherme Paulus quer mais.

O empresário ainda trabalha para a CVC, da qual ainda possui 25% das ações, e, mais recentemente, inseriu-se no ramo da hotelaria, por meio da GJP Hotels & Resorts. Batizado com suas iniciais (Guilherme Jesus Paulus), o grupo empresarial partiu da ambição de Paulus de tornar-se o maior hoteleiro do Brasil.

Desta forma, a GJP administra, hoje, 13 empreendimentos, sendo 6 deles próprios. Possui 3 bandeiras, que variam conforme os preços e a qualidade – além da experiência de hotel, claro – que o cliente deseja: Wish (5 estrelas), Prodigy (4 estrelas) e Linx (3 estrelas). A ideia é expandir cada vez mais, em um grupo empresarial que já movimenta um montante de R$ 500 milhões por ano.

Além dos hotéis já existentes, Guilherme Paulus conta que pretende erguer em torno de 20 novos locais, contando com um aporte de R$ 1 bilhão para tal – e adentrando ainda mais fortemente neste ramo da hotelaria, conforme o empresário sonha.

Quando perguntado se pretende também vender a GJP – tal qual fez com a CVC -, Paulus adota o bom humor, dizendo que só não vende a mulher, o filho e as netas. Na sequência, explica que, em verdade, o que fez com a CVC foi mais uma abertura de capital, uma vez que ainda detém aproximadamente um quarto da empresa em seu nome.

Em relação à empresa de turismo, possui mais de 1000 lojas em operação, e o empresário afirma que, mesmo com a crise em que estamos inseridos, o brasileiro não parou de viajar – apenas adaptou as viagens à sua condição atual. Neste ínterim, a chave de crescer mais o negócio é saber aproveitar as oportunidades que surgem dessa mudança de comportamento dos consumidores/turistas.

Afinal de contas, experiência é o que não falta para Guilherme Paulus, há mais de 40 anos no ramo e um dos mais bem sucedidos empresários brasileiros da atualidade.

Após sequência de altas, gás de cozinha sofre queda de 5% no preço

Após o país ter presenciado consecutivas altas no preço do botijão de gás nos últimos meses, finalmente foi anunciado um reajuste de redução do preço do botijão de gás pela Petrobras. A estatal divulgou que o preço do botijão de gás de uso residencial foi reajustado para (-5%) no dia 19 de janeiro deste ano. O valor do reajuste só é válido para os botijões de 13 quilos. De acordo com a empresa, essa queda irá possibilitar que o preço do gás nas refinarias sejam vendidos a R$ 23,16.

Em junho de 2017, o preço do gás de cozinha em botijão de 13 quilos passou a ser elevado constantemente. A última elevação de preço do botijão de gás de 13 quilos foi feita no dia 5 de dezembro do ano passado, que reajustou o preço do gás natural destinado às distribuidoras em 8,9%. Anterior a esta alta, o preço tinha subido 4,5% em novembro do ano passado, e 12,9% no dia 11 de outubro. Foi anunciada uma nova redução logo para o início deste ano como revisão da política de reajuste de preço dos combustíveis e gás natural realizada pela Petrobras.

Em comparação com os reajustes de preços feito para os combustíveis (gasolina e diesel), a estatal também se baseia nas cotações diárias do mercado internacional para estabelecer os preços aqui no país. Após a revisão da política de reajustes, os preços irão ser reajustados mensalmente e trimestralmente, sendo que os reajustes terão que considerar o acumulado do preço nos últimos 12 meses, e não mais utilizar como base de reajuste a variação mensal. Porém, parte desta revisão só será vigorada a partir do último trimestre deste ano.

Essas novas mudanças também irão dispor de novos mecanismos para analisar os preços utilizados no mercado interno, e os preços que resultam da antiga política de reajuste de preços. Em uma nota oficial divulgada pela Petrobras, a estatal diz que as novas formas de avaliação como parâmetros utilizados nos reajustes dos preços, irão permitir que o gás natural“referenciado no mercado internacional, consiga diluir os efeitos de aumentos de preços tipicamente concentrados no fim de cada ano, dada a sazonalidade do produto”.