Após sequência de altas, gás de cozinha sofre queda de 5% no preço

Após o país ter presenciado consecutivas altas no preço do botijão de gás nos últimos meses, finalmente foi anunciado um reajuste de redução do preço do botijão de gás pela Petrobras. A estatal divulgou que o preço do botijão de gás de uso residencial foi reajustado para (-5%) no dia 19 de janeiro deste ano. O valor do reajuste só é válido para os botijões de 13 quilos. De acordo com a empresa, essa queda irá possibilitar que o preço do gás nas refinarias sejam vendidos a R$ 23,16.

Em junho de 2017, o preço do gás de cozinha em botijão de 13 quilos passou a ser elevado constantemente. A última elevação de preço do botijão de gás de 13 quilos foi feita no dia 5 de dezembro do ano passado, que reajustou o preço do gás natural destinado às distribuidoras em 8,9%. Anterior a esta alta, o preço tinha subido 4,5% em novembro do ano passado, e 12,9% no dia 11 de outubro. Foi anunciada uma nova redução logo para o início deste ano como revisão da política de reajuste de preço dos combustíveis e gás natural realizada pela Petrobras.

Em comparação com os reajustes de preços feito para os combustíveis (gasolina e diesel), a estatal também se baseia nas cotações diárias do mercado internacional para estabelecer os preços aqui no país. Após a revisão da política de reajustes, os preços irão ser reajustados mensalmente e trimestralmente, sendo que os reajustes terão que considerar o acumulado do preço nos últimos 12 meses, e não mais utilizar como base de reajuste a variação mensal. Porém, parte desta revisão só será vigorada a partir do último trimestre deste ano.

Essas novas mudanças também irão dispor de novos mecanismos para analisar os preços utilizados no mercado interno, e os preços que resultam da antiga política de reajuste de preços. Em uma nota oficial divulgada pela Petrobras, a estatal diz que as novas formas de avaliação como parâmetros utilizados nos reajustes dos preços, irão permitir que o gás natural“referenciado no mercado internacional, consiga diluir os efeitos de aumentos de preços tipicamente concentrados no fim de cada ano, dada a sazonalidade do produto”.