As novas tecnologias de entretenimento audiovisual

O modelo de entretenimento e forma de assistir filmes mudou bastante com o passar do tempo, já houve épocas em que as pessoas iam para estacionamentos com seus carros para assistir a um filme, faziam filas intermináveis nos cinemas, realizavam reservas de semanas para terem acesso a um filme nas locadoras, até que tudo se modernizou a ponto da TV a cabo nem mais sequer ser algo necessário na vida das pessoas, sendo em sua maioria trocadas pela Netflix, que é um serviço de streaming, a qual o assinante pode assistir ao filme, série e anime de preferência a qualquer momento e independentemente do periférico de preferência, que iria desde a um smartphone até a tela do computador, passando pelas moderníssimas Smart TVs.

Com a modernização e a forma cada vez mais cômoda que a tecnologia tem se instalado na vida das pessoas, as mesmas têm se tornado por sua vez vez mais individualistas e com vontade de ficarem o máximo possível reclusas, embora estejam mais conectadas por meio das redes sociais, que transparece uma antítese estarem mais egoístas ao invés de disponíveis. E seguindo isso, se nota que o uso constante e o crescimento do número de assinantes da Netflix têm promovido uma derrocada nas assinaturas de TV a cabo, já que as pessoas têm conseguido assistir seus filmes e séries pelo serviço de streaming que não necessita de um horário fixo para tal. E para tal, o que tem feito ainda a pressão em se ter uma TV a cabo são os planos de internet que insistem em fazer pacotes que incluam a “obrigatoriedade” de se ter um plano de canais e um plano de telefonia, por haver um maior desconto no final das contas, mas que espera-se que esse cenário diminua com o passar do tempo, pois acaba prendendo as pessoas nessas empresas sem o real desejo por parte do cliente.

Portanto, uma das notícias do site Tecmundo demonstra como o cenário das antigas formas de entretenimento tem feito para se manter atuais e conseguirem dar a volta nessa constante mudança de estilo de vida da população, que tem alternado de gosto mais rápido do que nunca visto anteriormente.

 

Empreendedorismo social versus ativismo social: qual é a diferença?

“Empreendedor Social” e “Ativista Social”: estes são dois termos que estão sendo usados ​​frequentemente em notícias ultimamente, dadas as recentes revoluções (nas quais a mídia social desempenhou um papel) e o impulso para o empreendedorismo na região.

No entanto, a definição de ambos os termos não é clara para muitos; você pode ver aqueles que se voluntariaram por algumas vezes para uma certa causa se autodenominando “empreendedores sociais”, enquanto aqueles que estabeleceram empreendimentos sociais para resolver problemas sociais reais às vezes se autodenominam “ativistas sociais”.

Então, quais são exatamente as diferenças entre os dois termos?

Quando uma pessoa percebe o seu interesse em uma causa, talvez advogando por ela sem dar um passo adiante, aumentando a paixão por ela, ou iniciando uma iniciativa para abordá-la, ela será chamada de ativista. Mas um ativista só pode se tornar um empreendedor social se desenvolver ainda mais seu ativismo em uma solução sustentável que lhes permita abordar os problemas em questão de maneira escalável e impactante. Diferentemente dos ativistas, os empreendedores sociais constroem organizações e seu trabalho não é limitado por um período de tempo (o final de uma campanha, etc.). Eles continuam cavando mais fundo e ramificando-se para ser mais inclusivo. Ativistas que se transformam em empreendedores sociais são aqueles que abordam uma causa social com uma abordagem diferente, que inclui mobilizar recursos, construir organizações e aplicar habilidades de negócios a problemas sociais.

Mas para dar uma perspectiva mais ampla, perguntei a algumas pessoas que estão muito envolvidas no cenário social no mundo árabe. Aqui está o que alguns modelos no empreendedorismo, empreendedorismo social e ativismo disseram quando lhes pedi que declarassem a diferença entre empreendedorismo social e ativismo:

Dina Sherif – Diretora Associada do Centro de Filantropia e Engajamento Cívico John D. Gerhart da Universidade Americana do Cairo : Acho que o empreendedorismo social é um negócio construído em torno do objetivo de resolver um desafio social. Em outras palavras, mudando a sociedade e ganhando dinheiro, o que é perfeitamente válido. A maioria dos empreendedores sociais são ativistas – seus modelos são voltados para a mudança. Os ativistas definitivamente não são sempre empreendedores sociais, mas muitas vezes são pessoas que só sabem falar, mas não necessariamente use a conversa para realmente fazer e mudar.

Torne-se um empreendedor de sucesso

Torne-se um pessoal de vendas influente: Apresentar-se como um vendedor influente e poderoso é um dos principais indicadores para o sucesso de qualquer negócio. Como proprietário de uma empresa, você não apenas é obrigado a vender sua empresa para seus clientes, mas também para potenciais investidores e futuros funcionários. O truque é praticar repetidas vezes até que você tenha o argumento de vendas perfeito. Além disso, peça feedback regular, seja extrovertido, mostre confiança, seja positivo e pratique a escuta ativa.

Enfatize a criação de um produto de qualidade, mas não perca tempo ilimitado: De modo satisfatório, você pode não conseguir criar uma réplica exata do iPhone no início de sua empresa, no entanto, um produto “bom” deve funcionar bem. O produto deve ser fortemente distinto com atributos únicos do que as ofertas flutuando no mercado de seus rivais. Mas esteja atento para não perder tempo excessivo para colocar seu produto no mercado, você sempre pode se beneficiar de um feedback inicial do cliente. Uma startup é considerada um bom desempenho se for capaz de lançar um produto de valor aceitável no mercado.

Crie um ótimo site para sua empresa: Peça à sua equipe técnica para investir tempo de qualidade suficiente na criação de um site de negócios excelente e profissional. O site deve ser informativo e cativante o suficiente para atrair potenciais clientes, parceiros e investidores a passar por ele e percebê-lo como um concorrente genuíno e potente no mercado. Siga as sugestões abaixo ao projetar seu site de negócios.

Inspecione o site dos principais rivais no negócio;

Selecione os melhores designs e consulte um desenvolvedor profissional sobre qual deles pode se encaixar melhor com a natureza do seu negócio;

O site deve ser otimizado para mecanismos de pesquisa e ser compatível com dispositivos móveis;

Coloque em alta qualidade e conteúdo exclusivo regularmente;

O site deve apresentar uma interface de usuário e experiência favoráveis ​​e esteticamente agradáveis;

O design do site deve ser simples, mas atraente e não congestionado;

Adquira um nome de domínio ‘.com’ atraente e facilmente memorável.

Esses são os principais passos para conseguir movimentar a economia de seu negócio e conquistar o mercado.

Lazer e Diversão no Manaíra Shopping de Roberto Santiago

Localizado na bela cidade litorânea de João Pessoa, capital da Paraíba, abriga um dos maiores shoppings do Brasil. O shopping Manaíra, propriedade do empresário Roberto Santiago continua até hoje para surpreender e entreter seus fregueses diariamente. Uma atração turística ideal, bem como centro local para grandes concertos, cozinha gourmet e cinema de última geração, o Manaíra consiste em entretenimento sem fim com uma linda vista da praia.

 

Com uma mistura muito eclética de coisas para fazer, o Roberto Santiago Manaíra Shopping oferece uma extravagância divertida e descontraída de compras que você nunca esquecerá. A praça de alimentação completa, apropriadamente chamada de “Espaço Gourmet”, abriga diversos alimentos, desde filés, hambúrgueres até pratos locais étnicos. Dentro do local do cinema, você pode escolher entre 11 quartos equipados com recursos modernos e atualizados.

 

Um empresário visionário.

Nascido em João Pessoa, no Brasil, Roberto Santiago frequentou o Colégio Pio X-Marista e o Centro Universitário de João Pessoa e possui diploma de administração de empresas. Desde que se formou, ele aprimorou suas habilidades de administração de negócios trabalhando em um pequeno café em Santa Rosa e construindo uma empresa de caixas de papelão. Seu trabalho como escritor e produtor de vídeos também o tornou popular entre o público. Mas a construção dos shoppings Manaíra e Mangeira levou a popularidade de Roberto Santiago a um patamar totalmente novo. Muitas pessoas consideram que ele é o dono do melhor negócio do Brasil.

 

Desde sua inauguração em 1989, a cada mês, o Manaíra Shopping Mall, com 92.000 metros quadrados, recebe mais de 1,6 milhão de visitantes. O lugar é espetacular e tem tudo tweens, adolescentes, adultos jovens e pessoas mais velhas querem. São mais de 300 lojas de roupas, móveis, calçados, joias, eletrônicos, equipamentos esportivos e tudo o que as pessoas querem e precisam. A praça de alimentação é enorme e tem uma incrível coleção de bons restaurantes, iguarias brasileiras e opções de fast food. O shopping também tem bares, hotéis, 11 salas de cinema de ponta, centenas dos melhores e mais empolgantes videogames, uma pista de boliche, uma academia, uma escola, uma instituição financeira e muito mais.

 

Um dos lugares mais populares no Manaíra Shopping Mall de Roberto Santiago é o local de dois andares na cobertura chamado Domus Hall. Inaugurado em 2009, o ar condicionado, instalação à prova de som tem um sistema de som state-of-the-art, assentos 4.000 e pode conter até 10.000 pessoas ou mais. Domus Hall tem sido palco de grandes apresentações teatrais, exposições de arte, feiras, grandes festivais culturais, casamentos e formaturas. Alguns dos maiores concertos ao vivo do Brasil, com os melhores artistas do país, assim como superstars de todo o mundo, foram realizados lá. É o melhor local de entretenimento do Brasil.

 

Roberto Santiago é um empreendedor visionário. Ele criou várias empresas de muito sucesso. Depois que o Manaíra Mall foi tão bem, em 2013 ele abriu o Mangeira Shopping. Isso ajudou a melhorar as opções de compras, entretenimento e economia para as pessoas no Brasil. As atividades empresariais inovadoras de Roberto Santiago estão tendo um impacto positivo na qualidade de vida de um número crescente de brasileiros hoje.

Macroeconomia vs. Microeconomia

Entre os muitos ramos da economia, duas das áreas mais conhecidas são o estudo da Macroeconomia e da Microeconomia. Os dois conceitos estão intimamente interligados e podem, às vezes, ser confusos. Este artigo fornecerá as explicações necessárias para diferenciar entre macroeconomia e microeconomia.

Macroeconomia. A macroeconomia refere-se ao estudo da economia com uma visão geral, observando conceitos como indústria, país ou fatores econômicos globais. A macroeconomia inclui a análise de conceitos como o Produto Interno Bruto (PIB) de uma nação, as taxas de desemprego, a taxa de crescimento e como todos esses conceitos interagem entre si.

Estudar e aplicar a macroeconomia é extremamente importante no nível do governo, pois a política e a decisão econômica e os regulamentos promulgados pelo governo podem ter um grande impacto em muitos aspectos da economia como um todo. Para demonstrar a teoria macroeconômica na prática, veremos brevemente como as taxas de juros se encaixam na política macroeconômica.

Um extenso estudo é dedicado a estabelecer as taxas de juros apropriadas em uma economia, onde o governo estabelece uma taxa básica e os bancos trabalham a partir daí. Se as taxas de juros aumentarem:

As pessoas podem economizar mais dinheiro à medida que obtêm um retorno melhor de seus depósitos.

As empresas investirão em menos expansão, uma vez que o dinheiro emprestado custará relativamente mais.

A moeda local aumentará em valor, porque agora os depósitos nessa moeda podem ganhar mais em comparação com outras moedas.

A inflação cairá, porque em geral a poupança está em alta e os gastos estão em baixa e as pessoas estão comprando menos.

O oposto seria esperado para cada ponto se as taxas de juros caíssem.

Isso fica muito complexo porque ‘relativamente subir’ ou ‘relativamente ir para baixo’ são relacionamentos muito frouxos e muitos fatores impactam a tomada de decisão também (isto é, impostos e taxas de emprego). Em seguida, o impacto das decisões políticas de outros países também deve ser considerado, pois afeta o que acontece com a economia de um país também.

Em teoria, a macroeconomia pode ser fácil porque, para cada mudança em uma figura relevante, pode-se supor que, se todos os outros fatores forem constantes, é o que aconteceria. Na realidade, todos os fatores estão mudando constantemente e a implementação de políticas macroeconômicas é muito difícil de gerenciar.

Estudo mostra futuro dos animais da Antártica com clima mais quente

Os efeitos gerados com o aquecimento global tem impactado o mundo inteiro com mudanças significativas. A Antártica está entre as regiões do planeta que mais sofre com esses efeitos. Por ser composta por um único ecossistema, a região poderá sofrer ainda mais com as mudanças climáticas temidas por muitos cientistas.

De acordo com notícias divulgadas pelo “Frontiers in Marine Science”, um novo estudo relacionou as alterações de temperatura no mundo com os efeitos que deverão ser observados na vida animal da Antártica. De acordo com os cientistas, o estudo tomou como base os principais efeitos e impactos que deverão ser observados com um clima cada vez mais quente. Além disso, o estudo considerou a redução do nível do mar e as mudanças em relação a disponibilidade de comida.

Todas essas considerações foram importantes para que o estudo compreendesse quais animais da Antártica sobreviveriam ao clima cada vez mais quente. O resultado do estudo apontou que apenas os predadores que vivem no assoalho marinho da Antártica sobreviveriam a essas mudanças climáticas, sendo eles: estrelas-do-mar, água-viva e outros animais desse tipo. Há ainda uma possibilidade de animais que se alimentam dos restos orgânicos também sobreviverem, como o ouriço-do-mar.

Considerando os que mais sofreram com essas mudanças está o krill, um tipo de crustáceo bastante pequeno que vive na Antártica. O desaparecimento das geleiras e dos blocos de gelos está entre as principais consequências geradas pelo aumento da temperatura na Antártica. Na parte inferior de todo esse gelo há diversos animais abrigados, como algas, que são alimentos dos krill. Com o desaparecimento dos krill, os pinguins-de-barbicha e outros animais como as baleias-jubarte passaram por uma redução drástica de alimento, o que impactará em extinção.

Já no caso do pinguim-imperador, um dos grandes símbolos da Antártica, a redução dos blocos de gelo irá interferir de forma muito negativa na reprodução desses animais, uma vez que eles utilizam esses locais para a reprodução. Sendo assim, eles enfrentarão grandes dificuldades para continuar a espécie em uma Antártica mais quente.

Os cientistas ainda resumiram no estudo que esses resultados não determinam com exatidão se todos esses fatos irão ocorrer, mas dão uma boa noção de como esses animais serão reduzidos se o aquecimento global não for refreado a tempo.

Liderança no mercado corporativo

A comunicação é uma habilidade crítica para quase todos. Os funcionários precisam ser capazes de falar clara e educadamente com colegas, clientes, clientes e outros. Através da comunicação escrita e oral, os trabalhadores devem ser capazes de transmitir suas idéias de negócios inovadores, decisões, perguntas e muito mais.

A economia do conhecimento exige que os trabalhadores desenvolvam habilidades e se sintam confortáveis ​​com as novas tecnologias regularmente. Portanto, os funcionários precisam estar abertos para aprender coisas novas e ser flexíveis em assumir tarefas diferentes.

A tecnologia de comunicação da informação(TIC) refere-se à capacidade de usar tecnologias e notícias cotidianas como computadores, tablets e telefones celulares. Também se relaciona com a capacidade de realizar determinadas tarefas, como enviar e-mails e usar software básico de computador (incluindo o Microsoft Office).

Outras habilidades importantes em TIC variam de acordo com a indústria e o trabalho específico. Por exemplo, alguns trabalhos podem envolver outros programas de software ou podem exigir habilidades de codificação. As pessoas no setor do conhecimento precisam desenvolver constantemente as habilidades necessárias para seus trabalhos.

Como a maioria dos empregadores incentiva os funcionários a continuar aprendendo, eles querem contratar pessoas interessadas em continuar sua educação. Portanto, os funcionários precisam simplesmente demonstrar uma paixão pela aprendizagem ao longo da vida em uma variedade de assuntos relevantes.

Os funcionários da economia do conhecimento precisam usar seus conhecimentos para resolver problemas do mundo real . Eles podem usar dados para ajudar os médicos a tratar os pacientes de forma mais eficiente, por exemplo, ou conduzir pesquisas históricas para ensinar os alunos ou o público sobre um momento significativo da história. Seja qual for o trabalho, os funcionários precisam ser capazes de reconhecer problemas e resolvê-los usando criatividade e inovação.

Programas de Certificados para Desenvolver (ou Atualizar) Suas Habilidades

Depois de saber quais habilidades você deseja desenvolver, considere as várias maneiras de aprender e crescer. Por exemplo, você pode fazer cursos on-line ou na faculdade da comunidade local. Certifique-se de que o curso seja ministrado em uma instituição credenciada e / ou seja bem avaliado por pessoas que já fizeram o curso antes. Você também pode perguntar ao seu empregador sobre oportunidades de treinamento na equipe ou participar de conferências ou convenções em seu campo.

Bilionário brasileiro do setor de turismo, Guilheme Paulus mira hotelaria

Após anos atravessando uma das piores crises econômicas de sua história, o brasileiro finalmente começa a respirar aliviado e sentir os primeiros sinais de recuperação. O início do ano de 2019 tem sido de grande otimismo na economia. Apesar de todo o aperto recente, alguns não deixaram de investir e expandir seus negócios. Exemplo disso é do empresário e empreendedor do setor de hotelaria e turismo Guilherme Jesus Paulus. Guilherme Paulus garante que mesmo em crise o brasileiro não deixa de viajar, pode até mudar o destino, mas ficar em casa nunca. Como acontece com vários setores, destinos turísticos entram e saem de moda. O dólar alto pode tornar destinos como Miami intimidadores, mas torna Foz do Iguaçu ou Gramado excelentes opções.

E se há alguém que entende de viagens, esse alguém é Guilherme Paulus. Atuando no ramo desde os 22 anos, na década de 70, na agência de viagens CVC. Quatro décadas depois, a empresa que começou atendendo a filiações de trabalha dores em no ABC Paulista se tornou a maior agência de viagens das Américas. Nos anos recentes, a empresa sozinha transportou mais de 4 milhões de pessoas para mais de uma centena de destinos. Não é incomum ver a marca estampada por aí como, por exemplo, em sua mais de 700 lojas no país ou nas mochilas dos formandos.

Mas não é somente no ramo de turismo e viagens onde atua Guilherme Paulus. O empresário também está buscando cada vez mais espaço no setor de hotelaria, com o grupo GJP hotéis. O grupo que recebeu como nome as iniciais de seu fundador, conta com 6 hotéis próprios e administra outros 7, localizados em diversas regiões do Brasil em cidades como São Paulo (SP), Gramado (RS), Maceió (AL), Recife (PE), Salvador (BA), Aracaju (SE), Foz do Iguaçu (PR),Porto de Galinhas (PE) e Rio de Janeiro (RJ. E novos empreendimentos nos estados de Minas Gerais, Pará, Distrito Federal, Rio de Janeiro e Paraná. O grupo detém as bandeiras Wish (5 estrelas), Prodigy (4 estrelas) e Linx (3 estrelas) e um faturamento acima dos 250 milhões. Até o ano de 2016, seu plano de investir em mais 19 hotéis estava congelado. Com o retorno do crescimento econômico, os planos do empresário podem voltar a acontecer.

Toda essa longa trajetória de trabalho e sucesso rendeu ao empresário frutos. Em 2009 Paulus vendeu o controle da CVC à americana Carlyle, por um valor equivalente a um bilhão de reais. Esse feito colocou-o dentro da lista de Bilionários da revista Forbes Brasil. Desde então, ele tem se focado em expandir seu grupo de hotéis. Para Guilherme Paulus, empreender e investir é como estar em um jogo de videogame, onde é fundamental planejar porém é impossível evitar surpresas no caminho. Apesar de todas as dificuldades, o empresário garante “Quando você acredita no seu negócio e tem um objetivo definido, você consegue vencer” e complementa “Você tem que investir para ser o melhor todos os dias porque a vida é uma eterna competição.”

Mesmo assim não pensa em parar. “A minha vida de hoje continua com a mesma intensidade de trabalho e lutas que a do meu começo de CVC, aos 22 anos. Isso me dá prazer, me ativa”. E termina: “Ainda há muito a ser feito”.

https://www.crunchbase.com/person/guilherme-paulus

O que os empreendedores contribuem para a sociedade?

Os Fatores de Sucesso de um Empreendedor: O empreendedorismo é criativo e inovador. Embora as empresas sejam geridas com dinheiro, os empreendedores muitas vezes concentram-se muito mais do que seus lucros. Eles contribuem para a sociedade, liderando o caminho e encontrando soluções inovadoras para questões práticas, financeiras e sociais.

Empreendedores usam empresas para criar produtos, notícias e serviços que resolvem problemas de maneiras inovadoras. Como as empresas precisam obter lucro para sobreviver, os empreendedores não têm o luxo de serem impraticáveis. Seus produtos e serviços devem ser funcionais, e devem ser projetados para serem econômicos e para atrair pessoas suficientes para viabilizar a produção dos produtos. Embora os primeiros computadores tenham sido criados em ambientes governamentais e universitários, foi necessário um empreendedor para adaptar a ideia a uma forma que tivesse amplo apelo e praticidade. Da mesma forma, os governos podem exigir padrões ambientais que forcem indivíduos e empresas a atingir um nível limiar de sustentabilidade. Mas quando os empreendedores introduzem produtos que são genuinamente atraentes e fornecem soluções ambientais reais.

Quando empreendedores iniciam negócios de sucesso, eles criam empregos que contribuem para a prosperidade generalizada. Ao contrário das grandes empresas, que frequentemente desviam os lucros para sedes corporativas centralizadas em cidades distantes, as pequenas empresas mantêm os dólares locais perto de casa. Suas empresas de sucesso criam empregos, e esses empregos pagam trabalhadores da vizinhança, que, por sua vez, reinvestem seus salários nas economias locais. Esse reinvestimento cria um ciclo de feedback positivo: à medida que as pequenas empresas prosperam, seus funcionários também prosperam e seu aumento de gastos abre o caminho para que um número maior de pequenas empresas possa contratar e pagar mais trabalhadores. As empresas locais também costumam priorizar o apoio a empreendimentos e organizações locais, como clubes escolares e equipes esportivas. Esses patrocínios são oportunidades ganha-ganha.

Os empresários pensam fora da caixa. Essa capacidade de pensamento livre ajuda a evitar a homogeneidade cultural, que poderia ocorrer se todos trabalhassem para os mesmos grandes negócios e compartilhassem os mesmos valores. Os trabalhos corporativos tendem a recompensar os trabalhadores que trabalham em longas horas e não questionam as políticas da empresa.

O pensamento empreendedor abraça risco e fracasso

O setor social nunca sofreu fracassos – os protocolos de financiamento, a percepção do público, notícias e o significado dos problemas abordados contribuíram para um ambiente adverso ao risco. Mas as ideias que impulsionam mudanças dramáticas são proposições inerentemente arriscadas e apresentam o potencial para falhar. O pensamento empreendedor reconhece essa incerteza e a aceita como um impulsionador necessário do progresso.

Várias organizações dirigidas por líderes com mentalidade empreendedora foram pioneiras em novas ideias que as colocam em risco de enormes perdas potenciais. Por exemplo, o Prison Entrepreneurship Program e Defy Ventures apostaram no potencial dos ex-presidiários de se tornarem líderes de negócios experientes. Igualdade de Imigração e Escuteiros para a Igualdade enfrentaram preconceitos e tradições profundamente arraigados dentro e contra a comunidade LGBT. A Partners in Health viajou para um mundo desconhecido e subdesenvolvido para construir um hospital médico. Invisible Children lidera uma luta contra um warlord, mobilizando millennials e Liberty na Coréia do Nortefacilita a transição de refugiados da Coreia do Norte para a Coreia do Sul. Essas missões são grandes e ousadas e perigosas, mas a recompensa vale muito a pena. O pensamento empreendedor é grande.

Grandes problemas exigem grandes soluções. Os empreendedores são motivados por uma mentalidade de “vá em frente, em casa” em tudo o que fazem, e é por isso que o pensamento empreendedor é necessário mais hoje do que nunca. A mudança incremental não é suficiente, eles exigem mudanças monumentais em direção a um final de jogo audacioso.

Por exemplo, quando o Secretário Geral da ONU, Ban Ki-moon, lançou o Desafio Fome Zero em 2012, a comunidade global foi forçada a pensar grande. O Desafio foi uma chamada à ação para governos, setor privado, ONGs e o público para eliminar a fome em nossas vidas . Organizações como a Aliança para Acabar com a Fome, a Aliança Global para Melhor Nutrição, o Fundo One Acre, o Programa Mundial de Alimentos, a Visão Mundial, e várias agências e departamentos da ONU, intensificaram seus esforços.

O objetivo declarado de “fome zero” é audacioso, mas, como afirmou Ertharin Cousin, diretor executivo do Programa Mundial de Alimentos, “você não deve fazer esse trabalho se não for audacioso”.